A nova desvantagem da política negativa


Candidatos à Câmara, Mary Peltola, Sarah Palin, Nick Begich, Alaska Oil and Gas, fórum de candidatos, conferência AOGA

A onda de sinais políticos desfigurados ao redor do Alasca não é um fenômeno novo – cada queda parece trazer uma onda de feiúra, tanto no comportamento dos candidatos quanto em uma minoria desequilibrada de seus apoiadores. É um problema que parece estar piorando, à medida que a linguagem política cada vez mais hiperbólica lança as consequências eleitorais como apocalípticas e pinta os oponentes não apenas como equivocados, mas malignos. Para aqueles que acreditam no apocalipse, deve parecer uma pequena infração pintar com spray uma placa de apoio a um candidato “inimigo” ou desfigurar com um adesivo pré-fabricado.

Há um custo para esse comportamento, no entanto. Parte disso é arcado por todos nós, mas um custo menos óbvio pode muito bem ser pago pelo candidato escolhido pelos vândalos.

O embrutecimento da nossa política

O custo óbvio do vandalismo político é seu papel na guerra pelos princípios fundamentais da América. À medida que os candidatos aumentam sua retórica, indo além de discursos de carne vermelha a metáforas violentas, cresce a percepção entre partidários e misantropos insatisfeitos de que nada está “fora da mesa” – ou seja, que qualquer ato é desculpável em nome do que eles veem como certo.

O vandalismo de placas é uma extensão dessa mentalidade, um crime em que os perpetradores se convenceram de que os fins justificam os meios. Quanto mais acontece, e quanto mais pessoas o veem, mais ele se torna aceito – ou pelo menos não fora dos limites. E é assim também com outras degradações do nosso diálogo cívico. Se não há problema em esticar a verdade como parte de um argumento político, as pessoas racionalizam, também não há problema em compartilhar uma notícia falsa ou colocar um adesivo odioso em seu caminhão. A linha continua à deriva – torna-se “OK” desfigurar uma placa, ameaçar um funcionário público, fazer ainda pior.

Consequências no apoio ao eleitor

Mas nem todos os custos do comportamento político antissocial recaem sobre o público em geral. Graças ao novo sistema de votação por escolha ordenada do Alasca, os políticos estão na posição de apelar para seus próprios apoiadores, mas também de se apresentar como a segunda melhor opção para aqueles que apoiam outros candidatos, já que as corridas multifacetadas geralmente serão decididas por como essas contagens de segunda escolha para candidatos eliminados balançam. Portanto, os candidatos que usam uma retórica negativa ultrajante ou cujos apoiadores são propensos a atos como bullying e vandalismo estão involuntariamente atirando no próprio pé, pois alienam as próprias pessoas cuja segunda classificação eles precisam.

Precisamos apenas olhar para as eleições mais recentes do Alasca para provar esse efeito em ação. Os republicanos Sarah Palin e Nick Begich III fizeram campanhas contundentes não apenas contra a candidata democrata Mary Peltola, mas também um contra o outro, cada um classificando o outro como ineficaz e impopular. Peltola, por outro lado, fez uma campanha positiva e fez questão de pedir aos torcedores de Palin e Begich seu segundo ranking. Foi uma estratégia eficaz – não apenas cerca de um quarto dos torcedores de Begich apoiou Peltola em vez de Palin como sua segunda escolha, muitos outros foram evidentemente desanimados pela campanha negativa e optaram por não fazer uma segunda escolha. No final, apenas metade dos eleitores de Begich apoiou Palin no segundo turno.

Especialistas e políticos nacionais foram rápidos em aproveitar o resultado – uma vitória para um democrata quando 60% dos eleitores inicialmente apoiaram outra pessoa – como evidência de que a votação por escolha não funciona ou é projetada para ajudar os candidatos de esquerda. Mas se essa é a única conclusão, aqueles que acreditam nisso estão condenados a repetir o fiasco de Palin-Begich, empregando sem pensar as velhas táticas de terra arrasada da política dura do passado. A realidade é que os resultados das eleições especiais foram entregues com a promessa de trazer de volta a civilidade ao nosso discurso. O tom comedido de Peltola venceu a eleição – algo que outros candidatos em outras corridas deveriam prestar atenção. Se os candidatos continuarem a alienar aqueles cujo apoio eles precisam para construir uma coalizão vencedora, suas vitórias serão poucas e distantes entre si. O impulso que a escolha ranqueada fornece aos candidatos que mostram que podem ser civilizados e trabalhar além das linhas partidárias é um recurso, não um bug.





Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.