Como a Ucrânia está usando a guerra de resistência desenvolvida pelos EUA para lutar contra a Rússia


A tomada quase sem derramamento de sangue e a anexação do território ocupado pela Rússia surpreenderam a Ucrânia e o Ocidente, intensificando um estudo sobre como construir um plano de defesa total que incluísse não apenas os militares, mas também a população civil.

Mas a guerra mais ampla de Putin contra a Ucrânia, lançada em fevereiro, tem sido seu campo de provas.

A doutrina, também conhecida como ROC, fornece uma abordagem inovadora e não convencional à guerra e à defesa total que guiou não apenas os militares da Ucrânia, mas também envolveu a população civil do país como parte de uma resistência combinada contra o exército russo.

“Tudo está no convés em termos de defesa abrangente para o governo da Ucrânia”, disse o tenente-general aposentado Mark Schwartz, que foi comandante do Comando de Operações Especiais da Europa durante o desenvolvimento da doutrina. “Eles estão usando todos os recursos e também estão usando alguns meios altamente não convencionais para interromper as forças armadas da Federação Russa”.

Planejando uma resistência nacional

Em menor número, em menor número de armas e em menor número, a Ucrânia, no entanto, reagiu contra um exército russo que pensava que iria invadir a grande maioria do país em questão de semanas, se não dias.

“Esta é uma maneira de virar a mesa para uma potência de primeiro mundo”, disse Schwartz. “É simplesmente incrível ver que, apesar da inacreditável perda de vidas e do sacrifício, o que a vontade de resistir e a determinação de resistir podem fazer.”

Em uma série de ataques e explosões recentes em posições russas na Crimeia, Kevin D. Stringer, um coronel aposentado do Exército que liderou a equipe de desenvolvimento do conceito de resistência, vê sinais de seu uso.

“Já que você não pode fazer isso convencionalmente, você usaria forças de operações especiais, e aquelas [forces] precisaria de apoio de resistência – inteligência, recursos, logística – para acessar essas regiões”.

Uma bandeira ucraniana é hasteada em uma área residencial danificada na cidade de Borodianka, a noroeste da capital ucraniana, Kyiv.

Um relatório do governo ucraniano compartilhado com a CNN reconheceu que a Ucrânia estava por trás dos ataques às bases russas e a um depósito de munição. Os ataques, muito atrás das linhas inimigas, estavam além do alcance das armas que os EUA e outros enviaram publicamente para a Ucrânia, e os vídeos das explosões não pareciam mostrar nenhum míssil ou drone. A Rússia culpou sabotagem ou munição detonante pelas explosões.

“Alta probabilidade diria que é muito plausível que [the ROC] princípios estão acontecendo na guerra real agora”, disse Stringer.

No início de abril, o general Richard Clarke, comandante do Comando de Operações Especiais dos EUA, disse em uma audiência do Comitê de Serviços Armados do Senado que os EUA ajudaram a treinar empresas de resistência na Ucrânia incorporadas a forças especiais nos últimos 18 meses. Quando perguntado se ele estava vendo algum sucesso desse treinamento no conflito atual, Clarke foi direto em sua resposta.

“Sim, senador, estamos.”

Resistência na Ucrânia

No início do conflito, o governo ucraniano criou um site que explica diferentes maneiras de resistir. O site descreve maneiras de usar ações não violentas, incluindo boicote a eventos públicos, greves trabalhistas e até mesmo como usar humor e sátira. O objetivo é interromper a capacidade das autoridades pró-Rússia de governar, ao mesmo tempo em que lembra à população a soberania legítima da Ucrânia. A doutrina da resistência também sugere ações violentas, incluindo o uso de coquetéis molotov, o início deliberado de incêndios e a colocação de produtos químicos em tanques de gás para sabotar veículos inimigos.

Civis participam de um curso de treinamento militar conduzido por uma Unidade de Defesa Territorial Cristã em 19 de fevereiro de 2022 em Kyiv, Ucrânia.

A doutrina também pede uma ampla campanha de mensagens para controlar a narrativa do conflito, impedir que a mensagem de um ocupante se consolide e manter a população unida. Vídeos de ataques ucranianos contra tanques russos, muitas vezes com trilha sonora de música pop ou heavy metal, se tornaram virais, assim como clipes de soldados ucranianos resgatando animais vadios. Seja intencional ou não, torna-se parte da resistência, permitindo que a Ucrânia enquadre as manchetes na mídia ocidental em seu favor e muitas vezes humanizando os membros do serviço ucraniano de maneiras que os militares russos falharam abjetamente.

Na vanguarda da resistência está o presidente ucraniano Volodomyr Zelensky, que não deixou o conflito desaparecer com discursos noturnos e frequentes aparições internacionais. Suas visitas perto da linha de frente são notícias em todo o mundo, enquanto o presidente russo Vladimir Putin raramente é visto fora do Kremlin ou do resort de Sochi.

A enxurrada de mensagens em andamento estimulou uma onda de apoio no exterior e aumentou com sucesso os governos ocidentais para fornecer mais armas e munições à Ucrânia.

Resiliência e Resistência

Em geral, o conceito de resistência fornece uma estrutura para aumentar a resiliência de um país, que é sua capacidade de resistir a pressões externas, e planejar a resistência, definida como um esforço de todo o país para restabelecer a soberania em territórios ocupados.

“A resiliência é a força da sociedade em tempos de paz que se torna resistência em tempos de guerra contra o agressor”, explicou Dalia Bankauskaite, pesquisadora do Centro de Análise de Políticas Europeias que estudou planejamento de resistência na Lituânia.

Em vez de fornecer a cada país o mesmo conjunto de planos, a doutrina é projetada para ser adaptada à população, habilidades e terreno de cada país. Não se destina a criar ou apoiar uma insurgência; seu objetivo é estabelecer uma força sancionada pelo governo que realizará atividades contra um ocupante estrangeiro com o objetivo de restaurar a soberania.

A princípio, apenas a Estônia, a Lituânia e a Polônia expressaram verdadeiro entusiasmo pela nova doutrina. Mas depois que a tomada quase sem derramamento de sangue pela Rússia e a anexação da Crimeia surpreenderam a Ucrânia e o Ocidente em 2014, o interesse pelo método de resistência cresceu rapidamente.

Os soldados letões Zemessardze, ou Guarda Nacional, se preparam para atacar durante um exercício de táticas de pequenas unidades em junho de 2020 durante a implementação do Conceito Operacional de Resistência com aliados e parceiros da OTAN perto de Iecava, Letônia.

Desde a sua criação, pelo menos 15 países participaram de alguma forma de treinamento sobre essa doutrina de resistência, de acordo com Nicole Kirschmann, porta-voz do Comando de Operações Especiais da Europa, onde isso foi desenvolvido.

Em meados de novembro, enquanto o governo Biden fazia os primeiros alertas públicos sobre a potencial invasão russa da Ucrânia, a Hungria sediou uma conferência sobre o Conceito Operacional da Resistência. O comandante das Forças de Operações Especiais da Ucrânia estava na conferência, disse Kirschmann à CNN, assim como quase uma dúzia de outros países.

A invasão da Ucrânia pela Rússia só aumentou o interesse no conceito.

“Os estados bálticos, em particular, estão conversando ativamente em seus parlamentos sobre a implementação da ROC em nível nacional”, segundo um funcionário dos EUA.

Resistência no Báltico

Em maio, quase três meses após a invasão da Ucrânia pela Rússia, o parlamento da Lituânia adotou uma nova estratégia de resistência civil que é muito mais ampla do que a resistência estritamente contra a ocupação.

Martynas Bendikas, porta-voz do Ministério da Defesa Nacional do país, disse que a preparação para a resistência inclui desenvolver a vontade de defender o país, melhorar os conhecimentos e habilidades militares e não militares dos cidadãos e mais como parte de uma defesa nacional.

A existência da doutrina de resistência e partes do planejamento em torno da resistência é intencionalmente pública, explicou Stringer, com a intenção de atuar como um impedimento contra um ataque potencial, mais voltado para a guerra híbrida favorita da Rússia, em vez da tradicional dissuasão militar e nuclear. Mas os detalhes dos planos e da organização dentro de um país são bem guardados.

Para a Estônia, um país com uma população de cerca de 1,3 milhão de pessoas que faz fronteira com o noroeste da Rússia, a resistência civil sempre fez parte do plano de defesa.

“Não há outra opção para todos os estonianos”, disse Rene Toomse, porta-voz da voluntária Liga de Defesa da Estônia. “Ou você luta pela independência se alguém o ataca – se a Rússia o ataca – ou você simplesmente morre.”

A Estônia atualiza e desenvolve regularmente seus planos de defesa, integrando seus militares permanentes com sua população em geral e suas forças voluntárias, que Toomse disse ter visto um aumento nos pedidos desde o início da invasão da Rússia.

Autoridades estonianas estudaram a guerra na Ucrânia para aprender lições sobre o que funcionou bem contra a Rússia e onde a resistência da Ucrânia pode melhorar. Toomse diz que os estonianos se lembram bem do governo soviético, e aqueles muito jovens para se lembrar são ensinados na escola.

A Ucrânia se destacou ao vencer a campanha de informação, aponta Toomse, usando postagens na mídia em várias plataformas, um presidente que se tornou uma figura internacional vocal e um fluxo constante de informações sobre o quão bem as forças da Ucrânia estão lutando, “mesmo que estejam não enfatizando suas próprias perdas.”

Mas Toomse insiste que a Estônia, se enfrentasse uma invasão, seria mais ativa em qualquer território ocupado, usando unidades pequenas, bem armadas e bem treinadas. “Imagino que podemos causar muito mais danos atrás das linhas inimigas do que a Ucrânia fez”, disse Toomse. “Toda a logística, todos os comboios, estarão constantemente sob ataque.”



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *