Como Debater Política Civilmente


É uma queixa comum nos dias de hoje que estamos polarizados, especialmente quando se trata de política. Parece que pensamos que o tráfico de pessoas com opiniões mal informadas é novo. Não é. As notícias falsas são tão antigas quanto as notícias. A desinformação é tão antiga quanto a informação. Então, como você pode discordar civilmente quando você não pode concordar com os fatos?

Não chegamos às nossas queridas opiniões começando com uma página em branco. Sejamos cristãos, muçulmanos, conservadores ou liberais, nossas ideias são moldadas mais pelas comunidades com as quais nos identificamos do que pelos fatos que analisamos.

Essa ideia ganhou força na década de 1950, quando os psicólogos Albert Hastorf e Hadley Cantril pediram a estudantes de duas faculdades rivais para assistir a um filme de um recente jogo de futebol entre suas escolas. Os alunos foram convidados a estudar o filme para identificar todas as penalidades que deveriam ter sido marcadas contra cada equipe. O melhor preditor de seus julgamentos não era a clareza da ofensa – era a escola que frequentavam! Os indivíduos relataram ter visto metade das jogadas ilegais de sua própria equipe do que da equipe adversária.

Muitas vezes não temos consciência de nossas próprias convicções. Então, como podemos começar a discordar civilmente?

Se você pedir a outras pessoas que investiguem os detalhes de suas opiniões, elas se tornarão menos certas sobre elas. Em outras palavras, você deve ir mais fundo do que a maioria das pessoas costuma fazer para entender por que alguém pensa de uma determinada maneira. Como o ex-secretário de Estado Dean Rusk disse uma vez: “A melhor maneira de persuadir os outros é com seus ouvidos”. É por isso que as sugestões a seguir são contra-intuitivas, mas eficazes.

Concordar com as regras básicas

Antes de iniciar um debate acalorado, pare por um momento e estabeleça algumas regras básicas. Por exemplo, “Estou interessado em entender o que você pensa e por quê, mas apenas se pudermos fazer isso de uma maneira que funcione para mim também. Eu gostaria de ouvi-lo. Eu gostaria de fazer perguntas sobre como sua ideia funciona e por que você acredita nela. Meu objetivo não é ser ofensivo; é entender. Isso seria bom?”

Se a outra pessoa concordar, acrescente a segunda regra básica: “Então, espero que você me ofereça a mesma oportunidade. Quero uma chance de compartilhar minha opinião e convido você a me sondar da mesma forma. Não quero que você argumente contra isso. Eu só quero que você faça perguntas, então você vai entender. Se isso funcionar para você, estou dentro. Se não, talvez possamos ir comer um taco juntos.

Fique curioso

Tente abordar a conversa como um cientista interessado. Suspenda julgamentos e enquadre seu trabalho para descobrir por que um ser humano razoável, racional e decente pensaria dessa maneira. Você não necessariamente concordará, pode não comprar a lógica deles e pode ver falhas na escolha de dados, mas provavelmente terá um sentimento de respeito por como suas experiências de vida, recursos, associações e valores contribuíram para suas crenças. E você ficará mais rico por isso.

Validar valores

Ao longo do caminho, você provavelmente descobrirá que suas diferenças são mais diferenças de estratégia do que de propósito. Você pode descobrir que onde você está tentando alcançar a segurança, a outra pessoa valoriza a liberdade. Onde você valoriza a responsabilidade pessoal, eles podem valorizar a compaixão. Quando eles batem na mesa em busca de oportunidades, você pode levantar sua voz por igualdade. Mas se vocês dois ouvirem com atenção, descobrirão que se importam com ambos os valores; você simplesmente difere em como alcançá-los, ou em que ordem. Quando você notar essa semelhança, chame-a. Isso lubrificará a conversa e promoverá a intimidade, mesmo com um adversário.

Compartilhe sua verdade, não a verdade

Finalmente, lembre-se da humildade. Lembre-se de que suas visualizações provavelmente estão repletas de inconsistências, dados suspeitos e lealdade da comunidade também. Use declarações como “eu acredito” ou “concluí”, em vez de “o fato é” ou “como todos sabem”.

Visite o estande 20 na ATD Government Workforce 2022 em 8 de setembro para saber mais sobre essas ideias e obter uma cópia gratuita do Conversas cruciais.



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.