EDITORIAL/Política ou privilégio? Os dois não são mutuamente exclusivos no caso Brittney Griner


Não deve ser surpresa para ninguém que a estrela da Associação Nacional de Basquete Feminino, Brittney Griner, tenha sido severamente punida na quinta-feira por um tribunal russo por acusações de drogas.

Griner foi pega com menos de um grama de óleo de cannabis em cartuchos vape quando entrou no país em fevereiro para jogar na Premier League russa. Ela disse que foi um engano e que não tinha percebido que a substância estava em sua bagagem.

O óleo de cannabis é legal em grande parte dos EUA – Griner diz que foi prescrito o óleo por um médico no Arizona – e muitos usuários juram por suas propriedades medicinais. Mas é ilegal na Rússia.

Griner se declarou culpado no mês passado e expressou contrição. Se condenada, ela poderia pegar 10 anos de prisão. Mas se ela esperava que sua súplica conseguisse clemência, ela estava errada. O tribunal condenou Griner a 9 anos.

A questão agora é quanto tempo ela servirá.

O presidente Joe Biden divulgou um comunicado na quinta-feira condenando a sentença e prometendo que seu governo “continuará trabalhando incansavelmente e buscando todos os caminhos possíveis” para trazê-la de volta. E isso provavelmente acontecerá. Uma troca de prisioneiros por Viktor Bout, um traficante de armas russo atualmente em uma prisão federal dos EUA, parece o caminho mais provável.

Alguns neste país vêem Griner como uma celebridade que descuidadamente infringiu a lei em um país estrangeiro e merece o que recebeu. Eles não vêem razão para que sua fama traga qualquer consideração especial. Outros a veem como um peão político entre o homem forte russo Vladimir Putin e os EUA

Vamos apenas dizer que os dois não são mutuamente exclusivos.

O fato é que ela é uma americana, indo para a prisão em um país que não é conhecido por respeitar os direitos humanos. O governo dos EUA tem, no mínimo, a obrigação de fazer o que puder para cuidar do bem-estar dela enquanto ela estiver sob custódia russa. Qualquer cidadão americano encarcerado no exterior tem o direito de esperar isso.

Quanto à sua liberdade, isso é de fato política. E com toda a publicidade, sem dúvida a política vai se desenrolar entre Putin e o presidente Biden. Griner será devolvido aos EUA. É apenas uma questão de quando e de que custo.

Imprimir manchete: EDITORIAL/Política ou privilégio de ar? Os dois não são mutuamente exclusivos no caso Brittney Griner



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.