Exclusivo: Mark Meadows cumpriu intimação do DOJ na investigação de 6 de janeiro


Meadows entregou os mesmos materiais que forneceu ao comitê seleto da Câmara que investiga o ataque ao Capitólio dos EUA, disse uma fonte, cumprindo as obrigações da intimação do Departamento de Justiça, que não havia sido relatada anteriormente.

No ano passado, Meadows entregou milhares de mensagens de texto e e-mails ao comitê da Câmara, antes de parar de cooperar. Os textos que ele entregou entre o dia da eleição de 2020 e a posse de Joe Biden, que a CNN obteve anteriormente, forneceram uma janela para seus negócios na Casa Branca, embora ele tenha retido centenas de mensagens, citando privilégios executivos.

Além do ex-chefe de gabinete de Trump, um dos principais deputados de Meadows na Casa Branca, Ben Williamson, também recebeu recentemente uma intimação do júri, disse outra fonte familiarizada com o assunto à CNN. Essa intimação foi semelhante ao que outros na órbita de Trump receberam. Pediu testemunhos e registros relativos a 6 de janeiro e esforços para derrubar a eleição de 2020. Williamson cooperou anteriormente com o comitê de 6 de janeiro. Ele se recusou a comentar à CNN.

A conformidade de Meadows com a intimação ocorre quando o Departamento de Justiça intensificou sua investigação relacionada a 6 de janeiro, que agora toca quase todos os aspectos dos esforços do ex-presidente Donald Trump para anular sua derrota nas eleições de 2020 – incluindo a conspiração fraudulenta dos eleitores, esforços para pressionar alegações de fraude eleitoral infundadas e como o dinheiro fluiu para apoiar esses vários esforços, informou a CNN esta semana.

Um advogado de Meadows não quis comentar. O Departamento de Justiça não respondeu aos pedidos de comentários da CNN.

Investigadores federais emitiram pelo menos 30 intimações a indivíduos com conexões com Trump, incluindo altos funcionários de sua campanha de arrecadação de fundos e operação anterior.

Como chefe de gabinete da Casa Branca, Meadows estava no meio dos esforços de Trump para derrubar a eleição nos dois meses entre o dia da eleição e a posse de Biden. Meadows se comunicou com vários funcionários que tentaram encontrar fraude eleitoral e pressionaram vários esquemas para tentar derrubar a eleição, de acordo com mensagens de texto obtidas pela CNN que Meadows entregou ao comitê seleto da Câmara. Meadows também compartilhou teorias de conspiração infundadas com líderes do Departamento de Justiça, enquanto Trump tentava obter a ajuda do DOJ em seu esforço para alegar que a eleição foi roubada dele.

Depois que Meadows parou de cooperar com o comitê da Câmara, o Congresso o encaminhou ao Departamento de Justiça por desacato ao Congresso. O DOJ se recusou a processá-lo por desacato no início deste ano.

Ainda não está claro se o Departamento de Justiça buscará mais materiais de Meadows como parte da investigação criminal em andamento, o que pode levar a uma briga legal por privilégio executivo.

Após a busca do FBI no mês passado na residência e resort de Trump na Flórida, Meadows entregou textos e e-mails aos Arquivos Nacionais que ele não havia entregue anteriormente em seu tempo no governo, informou a CNN anteriormente. No ano passado, Meadows conversou com Trump sobre os documentos que ele trouxe para Mar-a-Lago e que os Arquivos Nacionais queriam que fossem devolvidos.
Trump foi aconselhado a cortar o contato com Meadows, e alguns dos advogados de Trump acreditam que Meadows também pode estar na mira dos investigadores e estão preocupados que ele possa se tornar uma testemunha do fato se for pressionado a cooperar, informou a CNN no mês passado. Ainda assim, Trump e Meadows falaram várias vezes, de acordo com uma fonte familiarizada com o relacionamento deles.

Outra fonte descreveu seu relacionamento como “não o mesmo de antes” enquanto estavam na Casa Branca, mas disse que eles ainda mantêm um relacionamento, mesmo que Trump tenha reclamado de Meadows para outros.



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.