Mais chamam as ações de Trump em 6 de janeiro, manipulação de documentos de Mar-a-Lago ‘ilegais’


Os americanos parecem estar se animando com a ideia de que o ex-presidente Donald Trump violou a lei e estão menos dispostos a descartar suas ações como meramente antiéticas.

Em nova pesquisa, o esforço de Trump para derrubar a eleição de 2020 e seu armazenamento de documentos governamentais confidenciais em sua residência em Mar-a-Lago atingiram novos máximos nas porcentagens de americanos que dizem que Trump violou a lei – em vez de dizer que suas ações foram antiéticas mas não ilegal.

Em ambas as questões, mais americanos dizem que Trump infringiu a lei – 45% e 44%, respectivamente – do que nunca durante a investigação sobre a interferência da Rússia nas eleições de 2016, o escândalo envolvendo a interação de Trump com o presidente ucraniano e outros casos em que o pergunta foi feita, de acordo com uma revisão do Washington Post das pesquisas durante o mandato de Trump.

Depois de uma presidência marcada por Trump escapando repetidamente das consequências após a controvérsia e agora mantendo uma chance de vencer a próxima eleição, os dados sugerem que Trump pode achar mais difícil superar essas novas questões.

Ao mesmo tempo, o meio político permanece um tanto confuso em suas opiniões sobre se as ações de Trump nesses casos foram ilegais ou meramente antiéticas. E as pesquisas sugerem que a base dedicada de Trump, que o considera inocente, continua a constituir até 3 em cada 10 americanos.

Uma nova pesquisa do Marist College para PBS e NPR divulgada na quarta-feira mostrou que 44% dos americanos dizem que o armazenamento de documentos confidenciais do governo por Trump em Mar-a-Lago era ilegal, enquanto outros 17% dizem que era antiético, mas não ilegal.

Isso segue uma pesquisa da CNN em julho, na qual 45% disseram que os esforços de Trump para derrubar a eleição de 2020 eram ilegais e 34% disseram que eram antiéticos.

Nunca antes uma pesquisa que ofereceu às pessoas três opções – incluindo uma opção “antiética” de meio termo – encontrou tantos americanos dizendo que as ações de Trump eram ilegais.

De acordo com a análise do The Post, as máximas anteriores ocorreram durante o impeachment da Ucrânia, quando uma pesquisa da Associated Press-NORC mostrou que 42% disseram que Trump agiu ilegalmente, e a investigação da Rússia, quando o número de que Trump infringiu a lei chegou a 40%.

Abaixo estão muitas das pesquisas que testaram essa pergunta, junto com qual controvérsia eles pesquisaram e quando.

Notavelmente, a porcentagem de americanos que consideraram as ações de Trump ilegais ou antiéticas também atingiu o pico na pesquisa da CNN de julho, com cerca de 8 em cada 10 escolhendo uma dessas opções. As máximas anteriores ocorreram nos estágios iniciais da investigação sobre a Rússia em fevereiro de 2018, e mais tarde naquele ano, depois que os supostos pagamentos de silêncio de Trump a mulheres que o acusaram de casos estavam dirigindo as notícias. (Os números também se aproximaram de 8 em 10.)

A pesquisa mais recente, nos documentos de Mar-a-Lago, inclui um número significativamente menor de opções “antiéticas”, mas ainda soma 6 em 10 combinados em relação às ações de Trump como ilegais ou antiéticas. (Esta última pesquisa mostra mais entrevistados dizendo que Trump não fez nada de errado – 29% – mas também significativamente mais indecisos.)

Controvérsias anteriores também trazem algumas lições sobre para onde a percepção pública pode ir a partir daqui.

Essa pergunta sobre as ações de Trump em relação à Rússia foi pesquisada com frequência, e levou algum tempo para que a percepção de que Trump infringiu a lei se estabelecesse. com esse número subindo até 40 por cento no final daquele ano. As pesquisas posteriores diminuíram e diminuíram um pouco, dependendo dos últimos desenvolvimentos e de qual pesquisador estava fazendo a pergunta.

O escândalo do dinheiro secreto também levou algum tempo para ser construído, dadas as revelações graduais. O pico de 38 por cento dizendo que Trump infringiu a lei (e quase 8 em cada 10 dizendo que ele pelo menos agiu de forma antiética) ocorreu em dezembro de 2018, logo depois que promotores federais vincularam Trump mais diretamente ao esquema e o ex-advogado de Trump Michael Cohen foi condenado à prisão por o papel dele.

Da mesma forma, a investigação da insurreição de 6 de janeiro de 2021 vem sendo construída há algum tempo. Mas a reação ao ataque ao Capitólio também pareceu instantânea. Não temos várias pesquisas fazendo essa pergunta específica para comparar, mas colocando uma pergunta binária logo após o evento – Trump violou a lei ou não? — mostrou que, pela primeira vez em sua carreira política, a maioria disse que sim.

No mês seguinte, esse número caiu. Mas a pesquisa mais recente sugere que isso continua sendo uma grande preocupação para muitos americanos, 20 meses depois.

A questão para Trump agora é se a controvérsia de seus documentos se assemelha mais à edição de 6 de janeiro ou a essas outras controvérsias. Obviamente, muito dependerá do que aprendermos aqui. A busca presidencial sem precedentes foi chocante no momento – embora de forma menos pronunciada do que a insurreição de 6 de janeiro – mas a investigação é complicada e ainda há muito a ser aprendido.

O que é evidente, porém, é que, em comparação com quase todo o seu mandato no cargo, agora está se tornando um salto menor para as pessoas acreditarem que Trump infringiu a lei. E enquanto a maioria dos americanos ainda não está convencida de que ele o fez – e Trump mantém a lealdade de grande parte do Partido Republicano – esses números não são exatamente propícios para recuperar a presidência em 2024.



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *