Os americanos pensam que sabem muito sobre política – e é ruim para a democracia que eles estejam tão frequentemente errados


  • O excesso de confiança em seu conhecimento político é comum entre os americanos.
    PixabayO excesso de confiança em seu conhecimento político é comum entre os americanos. X

À medida que as primárias estaduais continuam durante o verão, muitos americanos estão começando a pensar em quais candidatos apoiarão nas eleições gerais de 2022.

Esse processo decisório é repleto de dificuldades, principalmente para eleitores inexperientes.

Os eleitores devem navegar em conversas raivosas e carregadas de emoção sobre política ao tentar decidir em quem votar. Os americanos estão mais propensos do que nunca a ver a política em termos morais, o que significa que suas conversas políticas às vezes parecem batalhas épicas entre o bem e o mal.

Mas as conversas políticas também são moldadas, obviamente, pelo que os americanos sabem – e, menos obviamente, pelo que eles pensam que sabem – sobre política.

Em pesquisa recente, estudei como as percepções dos americanos sobre seu próprio conhecimento político moldam suas atitudes políticas. Meus resultados mostram que muitos americanos pensam que sabem muito mais sobre política do que realmente sabem.

Déficit de conhecimento, superávit de confiança

Nos últimos cinco anos, estudei o fenômeno do que chamo de “excesso de confiança política”. Meu trabalho, em conjunto com estudos de outros pesquisadores, revela as maneiras como ele frustra a política democrática.

O excesso de confiança política pode tornar as pessoas mais defensivas de crenças factualmente erradas sobre política. Também faz com que os americanos subestimem a habilidade política de seus pares. E aqueles que acreditam ser especialistas políticos muitas vezes descartam a orientação de especialistas reais.

O excesso de confiança política também interage com o partidarismo político, tornando os partidários menos dispostos a ouvir os colegas do outro lado do corredor.

O resultado é um colapso na capacidade de aprender uns com os outros sobre questões e eventos políticos.

Um experimento de ‘verificação da realidade’

Em meu estudo mais recente sobre o assunto, tentei descobrir o que aconteceria quando pessoas politicamente superconfiantes descobrissem que estavam enganadas sobre os fatos políticos.

Para fazer isso, recrutei uma amostra de americanos para participar de um experimento de pesquisa por meio da plataforma de recrutamento Lucid. No experimento, alguns entrevistados viram uma série de declarações que os ensinaram a evitar falsidades políticas comuns. Por exemplo, uma declaração explicou que, embora muitas pessoas acreditem que a Previdência Social logo ficará sem dinheiro, a realidade é menos terrível do que parece.

Minha hipótese era que a maioria das pessoas aprenderia com as declarações e se tornaria mais cautelosa ao repetir falsidades políticas comuns. No entanto, como descobri em meus estudos anteriores, um problema surgiu rapidamente.

O problema

Primeiro, fiz aos entrevistados uma série de perguntas básicas sobre a política americana. Este questionário incluiu tópicos como qual partido controla a Câmara dos Deputados – os Democratas – e quem é a atual Secretária de Energia – Jennifer Granholm. Então, perguntei a eles o quão bem eles achavam que se saíram no teste.

Muitos entrevistados que acreditavam ter os melhores desempenhos estavam, na verdade, entre os que pontuaram com pior pontuação. Muito parecido com os resultados de um famoso estudo de Dunning e Kruger, os piores desempenhos geralmente não percebiam que estavam atrás de seus pares.

Das 1.209 pessoas que participaram, cerca de 70% estavam confiantes demais em seus conhecimentos de política. Mas esse padrão básico não foi a parte mais preocupante dos resultados.

Os entrevistados excessivamente confiantes não conseguiram mudar suas atitudes em resposta às minhas advertências sobre falsidades políticas. Minha investigação mostrou que eles leram as declarações e poderiam relatar detalhes sobre o que disseram. Mas suas atitudes em relação às falsidades permaneceram inflexíveis, provavelmente porque eles – erroneamente – se consideravam especialistas políticos.

Mas se eu pudesse tornar os entrevistados excessivamente confiantes mais humildes, eles realmente levariam a sério minhas advertências sobre falsidades políticas?

Autoavaliação ruim

Meu experimento procurou examinar o que acontece quando pessoas superconfiantes são informadas de que seu conhecimento político está faltando. Para fazer isso, designei aleatoriamente os entrevistados para receber um dos três tratamentos experimentais depois de fazer o teste de conhecimento político. Estes foram os seguintes:

  • Os entrevistados receberam declarações ensinando-os a evitar falsidades políticas.
  • Os respondentes não receberam as declarações.
  • Os entrevistados receberam as declarações e um tratamento de “verificação da realidade”. A verificação da realidade mostrou como os entrevistados se saíram no questionário político que responderam no início da pesquisa. Junto com sua pontuação bruta, o relatório mostrou como os entrevistados se classificaram entre 1.000 de seus pares.

Por exemplo, os entrevistados que achavam que tinham ido bem no questionário podem ter aprendido que acertaram uma das cinco perguntas e que pontuaram pior do que 82% de seus colegas. Para muitos entrevistados excessivamente confiantes, esse tratamento de “verificação da realidade” os trouxe à realidade. Eles relataram muito menos excesso de confiança em média quando eu os acompanhei.

Por fim, pedi a todos os entrevistados do estudo que relatassem seus níveis de ceticismo em relação a cinco afirmações. Essas declarações são todas falsidades políticas comuns. Uma declaração, por exemplo, afirmou que os crimes violentos aumentaram na década anterior – não. Outro afirmou que os EUA gastaram 18% do orçamento federal em ajuda externa – o número real foi inferior a 1%.

Eu esperava que a maioria dos entrevistados que receberam minhas declarações de advertência se tornassem mais céticos em relação a essas declarações mal informadas. Em média, eles fizeram. Mas os entrevistados com excesso de confiança também aprenderam essa lição?

Verificação da realidade: missão cumprida

Os resultados do estudo mostraram que os entrevistados excessivamente confiantes começaram a levar as falsidades políticas a sério apenas se tivessem experimentado meu tratamento de “verificação da realidade” primeiro.

Enquanto os entrevistados excessivamente confiantes em outras condições não mostraram nenhuma reação, a natureza humilhante da “verificação da realidade”, quando perceberam o quanto estavam errados, levou os participantes excessivamente confiantes nessa condição a revisar suas crenças. Eles aumentaram seu ceticismo em relação às falsidades políticas por uma margem estatisticamente significativa.

No geral, esse experimento de “verificação da realidade” foi um sucesso. Mas revela que, fora do experimento, o excesso de confiança política atrapalha a capacidade de muitos americanos de perceber com precisão a realidade política.

O problema do excesso de confiança política

O que pode ser feito, se é que há algo, sobre o fenômeno generalizado do excesso de confiança política?

Embora minha pesquisa não possa determinar se o excesso de confiança política está aumentando ao longo do tempo, faz sentido intuitivo que esse problema esteja crescendo em importância em uma era de discurso político online. No âmbito online, muitas vezes é difícil avaliar a credibilidade de usuários anônimos. Isso significa que alegações falsas são facilmente espalhadas por pessoas desinformadas que apenas parecem confiantes.

Para combater esse problema, as empresas de mídia social e os líderes de opinião podem buscar maneiras de promover um discurso que enfatize a humildade e a autocorreção. Como a autoexpressão confiante e equivocada pode facilmente abafar vozes mais críveis no mundo online, os aplicativos de mídia social podem considerar promover a humildade lembrando os pôsteres de reconsiderar a “postura” ou assertividade de suas postagens.

Embora isso possa parecer absurdo, desenvolvimentos recentes mostram que pequenos empurrões podem levar a mudanças poderosas no comportamento online dos usuários de mídia social.

Por exemplo, a recente inclusão no Twitter de uma mensagem pop-up que pede a possíveis pôsteres de artigos de notícias para “ler antes de twittar” fez com que os usuários repensassem sua disposição de compartilhar conteúdo potencialmente enganoso.

Um lembrete gentil para evitar postar afirmações ousadas sem evidências é apenas uma maneira possível de as empresas de mídia social incentivarem o bom comportamento online. Com outra temporada eleitoral em breve, tal corretivo é urgentemente necessário.





Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *