Política, mudanças em Cambridge e a Inglaterra de Orwell


Mudei de ideia? Essa é uma pergunta que me fizeram várias vezes nos últimos anos. A razão? Há muitos anos, publiquei um pequeno livro, Republicacrataque criticava as tentativas dos cristãos de pressionar o voto em um partido ou outro como marca registrada da fidelidade cristã.

Na época, muitos da direita o leram como um panfleto liberal-esquerdista que mostrava, nas palavras de um correspondente, que eu simplesmente “não entendi” – seja lá o que “isso” possa ter sido. Desde então, passei a escrever quase exclusivamente para organizações associadas a políticas fortemente conservadoras. Assim, as investigações recentes fazem sentido.

Então eu mudei de ideia? Sim, mas apenas no sentido de uma mudança em Cambridge – talvez estranhamente apropriada para um graduado de Cambridge.

Para esclarecer: “mudança de Cambridge” é um termo dado a um truque da linguagem. Tomemos, por exemplo, um homem sentado em um banco à esquerda de uma árvore. Podemos dizer “A árvore está à direita do homem”. Se ele agora se levanta e caminha para a direita da árvore, podemos dizer: “A árvore está agora à esquerda do homem”. A frase parece implicar que a árvore se moveu, mas não. É o homem que mudou de lado.

Essa tem sido minha experiência política na década desde que publiquei pela primeira vez Republicacrata. Onde antes me considerava à esquerda das questões prementes do dia, agora me encontro à direita. No entanto, são as questões, não minhas convicções, que mudaram.

O livro mais importante que li em termos de meus instintos políticos básicos foi de George Orwell, que li quando tinha 14 anos. Não foi, no entanto, uma de suas grandes obras.Fazenda de animais, 1984ou mesmo Uma homenagem à Catalunha. Em vez disso, foi seu relato de viagem pelo norte da Inglaterra durante a década de 1930, A Estrada para o Cais de Wigan. As descrições da pobreza da classe trabalhadora britânica eram poderosas e, dada a capacidade de Orwell de descrever cheiros, pungentes e memoráveis ​​mesmo 40 anos depois. E eu desafio qualquer um a ler o capítulo sobre seu dia trabalhando em uma mina e não ficar profundamente comovido com a dureza da vida e a brutalidade das condições de trabalho descritas.

Eu cuido das crianças e dos vulneráveis. Portanto, não posso apoiar nenhum partido ideologicamente comprometido com o aborto e com as questões trans

Enquanto estava na faculdade na década de 1980, eu mesmo passei um verão trabalhando na linha de produção da fábrica. Alguns anos depois, eu estava passando de carro na hora marcada e vi os mesmos rostos com os quais eu havia trabalhado saindo da fábrica. O relato de Orwell sobre o norte da Inglaterra voltou à minha mente quando percebi que o que tinha sido um fardo temporário para mim era a vida cotidiana para eles. Meu avô foi operário de fábrica a vida toda, desde os 14 anos, socialista por toda a vida e sindicalista. Seu mantra, “Pagamento de um dia justo por um dia de trabalho honesto” fez sentido para mim na época, como ainda faz agora.

E, no entanto, meu avô terminou seus dias votando nos conservadores — no partido da sra. Thatcher, nada menos. Ele o fez com relutância, mas o fez por convicção: a convicção de que o Partido Trabalhista havia abandonado os pobres e os vulneráveis ​​em favor de políticas de identidade de classe média e interesses especiais. Era ali que se encontravam o dinheiro e os votos. E isso foi na década de 1980. Quanto mais é esse o caso hoje.

É por isso que agora pareço estar à direita. Eu cuido das crianças e dos vulneráveis. Portanto, não posso apoiar nenhum partido ideologicamente comprometido com o aborto e com as questões trans. Defender o infanticídio e a mutilação genital de crianças muito jovens para decidir fazer uma tatuagem, muito menos se desejam ter filhos daqui a 20 anos, simplesmente não é aceitável para quem deseja apresentar um argumento credível para ser compassivo. E como um homem cujos instintos estão na velha política de centro-esquerda pré-1960, seria uma patética traição de princípio afirmar o contrário.

E isso me traz de volta A estrada para Wigan Pier. Na segunda parte desse trabalho, Orwell expressou preocupação com os intelectuais da classe média permitindo que seus compromissos ideológicos com a teoria marxista eclipsassem sua preocupação com os pobres reais e, assim, traindo os mais fracos e vulneráveis ​​da sociedade. O marxismo clássico pode não ser o truque da esquerda hoje. A classe trabalhadora, afinal, provou-se eternamente decepcionante para eles na época das eleições. Mas sua progênie pós-moderna — teoria de gênero, teoria queer, teoria crítica da raça — agora preocupa suas mentes. E sim, estou muito à direita desses ideólogos. Mas eu não me mudei.



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.