Política ou escolha dos pais? Essa é a questão depois que o Conselho Escolar de Miami-Dade reverte a decisão sobre a proibição de livros didáticos de educação sexual


MIAMI – O Conselho Escolar do Condado de Miami-Dade reverteu a decisão da semana passada e votou 5-4 para permitir que os livros didáticos de saúde e educação sexual nas salas de aula do ensino fundamental e médio cumpram os requisitos do estado.

Na semana passada, em uma votação de 5 a 4, o conselho optou por não adotar os livros didáticos, embora a equipe do conselho escolar e um auditor independente tenham recomendado os livros. O próprio Conselho Escolar aprovou inicialmente os livros didáticos em abril.

A decisão de julho não deixou livros para o currículo, o que é exigido por lei estadual.

Aqueles contra os livros disseram que se opunham ao conteúdo de como denunciar abusos a métodos contraceptivos, chamando alguns deles de impróprios para a idade.

O vice-presidente do conselho, Dr. Steve Gallon III, que votou pela aprovação dos livros, disse que recebeu centenas de e-mails de pais preocupados esta semana, pedindo ao conselho para reconsiderar e aprovar os livros.

Ele acredita que aqueles contra “deduzidos [the materials] para uma conversa sexual.”

Gallon revisou os materiais ele mesmo.

Ele disse que os materiais fornecem fatos sobre as implicações do HIV, tráfico humano, AIDS, higiene, como denunciar abusos e muitas habilidades essenciais para a vida.

“Não importa de onde você venha, de Florida City a County Line Road, crianças e jovens precisam entender essas informações”, disse Gallon. “Dizemos que educação é poder. Não podemos tornar nossos filhos impotentes negando acesso a um segmento de nosso distrito escolar.”

Com base em algumas conversas que a CBS4 teve, há uma pequena preocupação com os ventos políticos que interferem nesse processo educacional.

“Acho que se tornou muito político de ambos os lados, sim”, disse a Dra. Marta Perez.

A membro do conselho Luisa Santos aponta para a lei estadual que exige revisões anuais abrangentes de saúde e educação, o que ela acredita que estimulará debates futuros. As discussões que ela não quer ver se politizarem.

“Espero, embora esteja preocupado, que possamos continuar a trabalhar em nome dos alunos e não em nome de nenhum partido”, partilhou Santos.

Dr. Perez diz que sentiu pressão política de ambos os lados ao avaliar o currículo.

“É como correntes que ambos os lados parecem nos fornecer”, disse Perez.

Na quinta-feira, o conselho mudou.

“Tem que cumprir os requisitos de educação”, afirmou a presidente Perla Tabares Hantman na reunião especial.

Ela compartilhou preocupações sobre não estar em conformidade com os requisitos do estado. Ela pediu para rescindir a votação da semana passada rejeitando o material. Hantman então mudou seu voto, mudando o curso do conselho para aceitar a recomendação do auditor para adotar os materiais.

“Ficou em solidariedade, não com o conselho, mas defendeu as crianças”, disse o Dr. Steve Gallon III.

Ele agradece o resultado.

“Isso foi mais do que sexo”, acrescentou Gallon. “Sexo vende. Hoje foi sobre os fundamentos do que precisávamos fazer para fornecer habilidades que salvam vidas às crianças.”

Santos concorda.

“Ouvimos muitos palestrantes que compartilharam histórias muito tocantes e comoventes, sobre como a educação sexual, a educação integral os ajudou”, acrescentou Santos.

Perez votou não, novamente.

“Não temos certeza de como isso será apresentado, e é isso que venho perguntando”, disse Perez. “Isso é o que será apresentado concretamente.”

Santos diz que os materiais estavam disponíveis para análise e o processo era transparente.

“Dizer que não houve acesso a todas as linhas é injusto”, acrescentou Santos. “Avançando, acho que temos espaço para melhorias à medida que avançamos para um ambiente mais digital, para dizer, OK, se você é um pai da sexta série, só terá acesso a isso”.

E a lei estadual oferece a opção dos pais de optar por não participar. Mas Perez acredita que deve ser opt-in.

“Muitos pais, especialmente os mais pobres, não conhecem essas disposições”, disse Perez.

As emendas adicionadas após o resultado, segundo Joe Gorchow, da CBS4, garantem maior transparência. Todos os pais do ensino médio e do ensino médio serão notificados sobre os materiais aos quais seus filhos serão expostos.

Dr. Gallon disse à CBS4 que os materiais para os pais revisarem deveriam ser disponibilizados com o que ele descreve como velocidade deliberada.



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.