Por dentro da crise política do Iraque


Bem-vindo ao Resumo da Manhã de hoje, onde acompanhamos a escalada do Iraque crise políticada Ucrânia contra-ofensivae os últimos desenvolvimentos no Brasil corrida presidencial.

Se você deseja receber o Morning Brief em sua caixa de entrada todos os dias da semana, inscreva-se aqui.


O que está por trás da escalada da crise política do Iraque

Bem-vindo ao Resumo da Manhã de hoje, onde acompanhamos a escalada do Iraque crise políticada Ucrânia contra-ofensivae os últimos desenvolvimentos no Brasil corrida presidencial.

Se você deseja receber o Morning Brief em sua caixa de entrada todos os dias da semana, inscreva-se aqui.


O que está por trás da escalada da crise política do Iraque

Confrontos mortais eclodiram no Iraque nesta segunda-feira, depois que centenas de pessoas invadiram o palácio do governo, uma reviravolta sinistra que mergulhou o país ainda mais na turbulência política.

Os manifestantes, apoiadores ferozmente leais do influente clérigo xiita Moqtada al-Sadr, ficaram furiosos com sua promessa de deixar a política iraquiana – embora ele tenha feito promessas semelhantes antes e não tenha cumprido. Alguns especialistas dizem que o anúncio de Sadr foi uma manobra perigosa e desesperada para manter seu poder e galvanizar sua base.

“[Sadr] não tem nenhuma influência agora, então o que ele está fazendo é apelar para as emoções de seus seguidores que são o mais próximo que você pode chegar de um culto pessoal”, disse Abbas Kadhim, diretor da Iniciativa do Iraque do Conselho Atlântico..

“Ele está dizendo a seus seguidores que, ‘Ok, eu fui derrotado, mas cabe a você me transformar em um jogador vitorioso fazendo o que for preciso. Ou você poderia dizer, nós desistimos, nós perdemos’”, acrescentou Kadhim. “Essas pessoas estão dispostas a fazer qualquer coisa.”

No centro da crise está um impasse político que paralisou os processos governamentais do Iraque e aprofundou as divergências internas desde as eleições de outubro no país, tudo sob o espectro da influência iraniana. Embora Sadr tenha sido o maior vencedor das eleições, ele não conseguiu negociar um novo governo depois de excluir líderes xiitas rivais. Isso lançou o Iraque na incerteza e o deixou nas mãos de um governo provisório que não pode aprovar orçamentos ou legislação.

Como o Iraque permaneceu em um impasse em junho, Sadr ordenou a renúncia dos 73 membros do parlamento leais a ele. Não foi como ele pretendia: eles foram substituídos rapidamente, eliminando efetivamente sua influência parlamentar pela primeira vez em quase duas décadas.

“Sadr antecipou que seus rivais… consertariam essa situação indo até ele, implorando para que ele mudasse de ideia e trouxesse seus parlamentares de volta”, disse Kadhim. “Mas eles não o fizeram. Eles chamaram seu blefe e foram em frente e usaram a lei para substituir os deputados de Sadr pelos seus próprios.”

Desde julho, centenas de partidários de Sadr estão acampados dentro do prédio do parlamento para atrapalhar os esforços políticos dos rivais. Mas os confrontos de segunda-feira – que mataram pelo menos quinze pessoas, feriram mais de 100 e levaram os militares a impor um toque de recolher em todo o país – sugerem uma nova virada preocupante na crise.

O objetivo final de Sadr é “agitar a nação e sequestrar o sentimento popular para se tornar o homem mais poderoso do Iraque”, como Shayan Talabany argumentou em Política estrangeira no início deste mês.

Isso sugere que a crise do país pode piorar antes de mostrar qualquer sinal de alívio. “A disposição de Sadr de piorar a turbulência política do Iraque, atrasar a formação do governo iraquiano e aumentar ainda mais os protestos – ameaçando uma guerra total com grupos xiitas rivais – certamente deve servir como um aviso de que ele é capaz de catapultar o país para algo ainda pior.” Talabany escreveu.


O que estamos seguindo hoje

A contra-ofensiva da Ucrânia. A Ucrânia montou uma contra-ofensiva para retomar o território ocupado pela Rússia nesta segunda-feira, poucos dias depois que os Estados Unidos prometeram um pacote de ajuda militar de US$ 3 bilhões para apoiar seus esforços de guerra.

Uma delegação da Agência Internacional de Energia Atômica também deve pousar no país nesta semana para inspecionar a usina nuclear de Zaporizhzhia, ocupada pela Rússia, já que a guerra alimenta temores de um possível acidente nuclear.

A corrida presidencial do Brasil. À medida que as eleições presidenciais do Brasil se aproximam, os dois favoritos – o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que atualmente lidera as pesquisas – trocaram farpas em um acalorado debate na televisão. Enquanto Bolsonaro acusou seu antecessor de corrupção, Lula culpou o titular por arruinar o país.

“O país que deixei é um país que as pessoas sentem falta, é o país do emprego, onde as pessoas tinham o direito de viver com dignidade, de cabeça erguida”, disse Lula. “Este é o país que o atual presidente está destruindo.”


O cerco do Iêmen. Quinze organizações de direitos humanos pediram aos rebeldes houthis do Iêmen que parem com o bloqueio de um ano de Taizz, no Iêmen. As principais estradas para a cidade estão bloqueadas desde 2015, disseram grupos de ajuda, um fechamento que teve profundas implicações humanitárias.

“Abrir as estradas principais ajudaria imensamente a aliviar o sofrimento de uma população que está em isolamento quase total há sete anos”, disse Michael Page, da Human Rights Watch, um dos signatários do comunicado.

As novas acusações da China. Mais de dois meses depois que um grupo de homens agrediu brutalmente quatro mulheres em um restaurante em Tangshan, na China, as autoridades estão acusando 28 pessoas e investigando 15 funcionários por corrupção em relação ao incidente. Como resultado do ataque de junho, duas das mulheres foram hospitalizadas por mais de 11 dias.



Dois pilotos da Air France foram suspensos após brigar no cockpit após a decolagem, disseram autoridades da companhia aérea, enfatizando que a disputa no ar não afetou a segurança do voo. Um membro da tripulação de cabine teria que acompanhar os pilotos na cabine pelo restante do voo. Não está claro o que causou a briga, que ocorreu na rota Paris-Genebra em junho.



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.