Posso ter uma palavra sobre… quando os políticos são ‘absolutamente claros’ | Jonathan Bouquet


Gmesmo com as idas e vindas frenéticas da semana passada, não me lembro qual político estava sendo entrevistado, mas quando ouvi sua resposta à primeira pergunta que lhe fizeram, não importava – ele poderia ter sido qualquer um deles: “Vamos seja perfeitamente claro…” E é claro que ele era tudo menos, paralisado por waffles e chavões. E quando se trata de Wes Streeting, um homem para quem tenho muito tempo normalmente, respondendo exatamente da mesma maneira em Notícias do Canal 4comecei a me desesperar.

Seria possível para um político lidar com uma questão sem pigarrear e ofuscar apenas uma vez?

Agora para alguns mistérios. Eu notei recentemente que muitas pessoas não conseguem pronunciar vulnerável corretamente. Eles perdem o primeiro “l”, introduzindo assim uma palavra muito feia no idioma. Por quê? E o departamento de pronúncia da BBC introduziu um diktat sobre como dizer Chile? Eu só pergunto porque seu correspondente lá pronunciou “Chillay” na semana passada, em vez do “chilli” mais usual. Tudo muito estranho.

Leitores regulares saberão que não gosto de nada melhor do que uma comunidade e na semana passada produzi uma melhoria absoluta. Comentando sobre a escalada do alpinista livre Adam Lockwood do Shard de 310 m (1.017 pés) (como um sofredor de vertigem, eu mal podia olhar para as fotos), um alpinista também me apresentou à “comunidade de escalada urbana”. Gostaria de saber onde ele realiza suas AGMs. O Burj Khalifa em Dubai?

Obrigado ao correspondente Mark Lilly pelo seguinte: “Meu conselho local de água enviou um início circular: ‘Como equipe, somos apaixonados pelo tratamento de esgoto’ e assinou ‘Herói do Atendimento ao Cliente’.”

Na mesma linha, Christopher Hinds me diz que em seu consultório de GP, hoje em dia, as dúvidas e solicitações são atendidas, não por recepcionistas, mas por “Care Navigators”. “Provavelmente há um curso de graduação para eles”, acrescenta. Não duvido nem por um minuto.

[email protected]

Jonathan Bouquet é colunista do Observer



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *