Qual é o problema com a política na Igreja?


Por Ben Cachiaras

Nos últimos dois anos, ouvi pastores e testemunhei igrejas em todo o país compartilharem histórias tristes. Eles falam de congregações se separando, membros de longa data saindo e pastores sendo demitidos. Já vi pequenos grupos unidos se separarem, brigas de famílias e amizades de longa data terminarem abruptamente.

Isso aconteceu principalmente por causa de um grande escândalo na igreja ou falha moral? Ou foi uma falsa doutrina – uma recusa em reconhecer a divindade de Cristo? Ou talvez um mau uso das Escrituras?

Não. Era política.

Já mal podemos discutir política. Nós polarizamos todas as questões, demonizamos aqueles com pontos de vista diferentes e categorizamos todos com rótulos desagradáveis ​​que aprendemos em nosso canal de notícias favorito. Todo mundo parece politizado. E ninguém nunca está errado; é sempre o outro cara — o inimigo que está arruinando nosso país, um idiota idiota que não deve ser tolerado. A única razão pela qual alguns de vocês estão lendo isso é para ver se concordam comigo.

Sabemos há muito tempo que aqueles que rejeitam o cristianismo – e a tendência se torna mais aguda a cada geração – citam nosso envolvimento excessivo na política como um dos maiores desagrados. A percepção de que nos importamos mais com nossa ideologia partidária do que com a teologia bíblica e que moldamos um Jesus à nossa semelhança é difícil de abalar. O mundo que somos enviados para alcançar com as boas novas é muitas vezes visto indo para o outro lado, não porque eles não podem aceitar as reivindicações de Jesus, mas porque eles não podem engolir a política daqueles que afirmam segui-lo.

Mas hoje em dia, a política não está apenas afastando os perdidos, está criando brechas entre os salvos. Talvez agora seja um bom momento para encontrar nosso equilíbrio entre devoção espiritual e fervor político. Como navegamos nas águas tempestuosas que se agitam ao nosso redor?

Alguns cristãos estão tão aborrecidos e apreensivos que se distanciaram completamente de qualquer coisa remotamente parecida com uma questão social, convencidos de que é melhor “pleitear o Quinto”. Eu entendo esse impulso. Quem quer abordar nervosamente assuntos espinhosos apenas para ser mal interpretado, citado erroneamente e maltratado? Não quero pregar usando um colete à prova de balas.

Mas aqueles que evitam todas as discussões e engajamentos políticos estão essencialmente votando pelo status quo. Algumas igrejas do século 19º século não se manifestou contra a escravidão pela mesma razão. Mas na verdade eles estavam apoiando a escravidão, porque às vezes “não falar de política” é muito político. Joseph e Daniel ocuparam cargos importantes em governos pagãos, e nós também podemos trabalhar para um melhor tratamento dos pobres, acabando com a desigualdade racial ou oferecendo melhores escolas.

Buscar evitar se sujar na bagunça do mundo real não reflete como Jesus viveu e serviu. Quando grandes questões dominam todos os noticiários e conversas, uma igreja que nunca fala sobre essas questões ou ajuda seu povo a estruturar uma cosmovisão bíblica – seja em relação à eleição, tensões raciais, aborto, imigração ou o que quer que seja – é uma igreja que ensina uma fé que não se aplica às nossas vidas. Não entende a maneira como Jesus subverteu os poderes. Evitar é irrelevância.

Mas há uma diferença monumental entre os cristãos serem envolvido em questões políticas e os cristãos sendo identificado por sua posição política. Nosso maior problema hoje não é que muitos cristãos não se preocupam com questões políticas; é que muitos de nós são consumidos por eles.

Então, qual é o problema com muita política em nossas igrejas, púlpitos e salas de aula?

DISTORCE NOSSA IDENTIDADE

Paulo disse: “para mim, o viver é Cristo” (Filipenses 1:21). Ele se identificou como um servo de Cristo. Sua identidade foi encontrada completamente no Senhor Jesus, e ele disse que é o mesmo para nós.

Podemos ser persuadidos por um ponto de vista político. Mas quando se torna nossa visão de mundo e molda nossa leitura das Escrituras e visão da realidade, podemos esquecer que somos filhos de Deus, separados, para sermos santos como Deus é santo. Estamos mais confiantes em nossas posições políticas do que em nossa identidade em Cristo? Você é principalmente um republicano ou democrata que por acaso é cristão? Ou você está principalmente um cristão que por acaso é republicano ou democrata? Se você acredita que Deus tem as mesmas opiniões que seu partido político, você provavelmente não está adorando a Deus. E sua identidade foi roubada.

Minha oftalmologista me disse que eu tinha catarata, mas ela poderia colocar novas lentes para afetar permanentemente a forma como eu vejo tudo. Agora, quando olho para o seu rosto, vejo você através dessas lentes. Quando olho pelo para-brisa, no espelho, no canal de notícias da TV – tudo que vejo, vejo através dessas lentes.

Os seguidores de Jesus entregaram seus olhos ao Senhor Jesus. Reconhecemos que o pecado obscureceu nossa visão e saudamos as novas lentes de visão de mundo que ele fornece. A mente de Cristo habita em nós, e agora somos novas criaturas. O velho se foi e o novo veio, então “de agora em diante não consideramos ninguém do ponto de vista mundano” (2 Coríntios 5:16). Nossa identidade em Cristo muda a forma como vemos tudo e todos.

A menos que estejamos tão presos em uma ideologia política que ela se torne nossa identidade primária, e peçamos às Escrituras e a Deus que se dobrem em seu molde.

Durante o ensino médio, quando eu saía de casa para uma noite com amigos, minha mãe às vezes dizia: “Lembre-se de quem você é!” Lembre-se do seu nome de família. Lembre-se de sua identidade em Cristo. É hora de nos lembrarmos de quem somos, porque Jesus espera que quando as pessoas olharem para nós, elas o vejam.

DIVIDA NOSSO CORPO

Em João 17, Jesus orou para que fôssemos um. Então, qualquer coisa que nos divida está trabalhando contra a vontade de Deus. O clima atual que nos diz para fazer inimigos daqueles que discordam de nós nos afasta. E a pandemia do COVID-19 só parecia piorar as coisas.

Paulo falou a grupos extremamente divergentes de judeus e gentios; ele celebrou que, por meio da cruz, Cristo “destruiu a barreira, o muro de inimizade” (Efésios 2:14). Infelizmente, erguemos novos muros de hostilidade. Quando nos reunimos em grupos sociológicos que espelham as reuniões políticas que o mundo oferece, perdemos a bela diversidade que Cristo pretende para a igreja e que desfrutaremos no céu. Também perdemos uma tremenda capacidade de convencer qualquer um de que Jesus tem poder para trazer mudanças reais ao mundo real. Se o evangelho não é poderoso o suficiente para derrubar as paredes divisórias da hostilidade entre cristãos republicanos e cristãos democratas, de que adianta?

Se eu sair apenas com pessoas que concordam comigo em tudo, isso impede seriamente minha capacidade de conhecer, amar e valorizar pessoas que são diferentes de mim. Se minha versão do evangelho não inclui amar meus inimigos, não é o evangelho de Jesus.

Tribalizamos e canibalizamos o corpo de Cristo quando nos apegamos exigentemente à nossa política. É hora de lembrar que somos um.

DESTRÓI NOSSO TESTEMUNHO

A ascensão dos “nones” (aqueles que dizem não ter filiação religiosa – o grupo religioso que mais cresce na América) e dos “dones” (aqueles que saíram da igreja, muitas vezes desiludidos) tem ligações com esse hábito politizador de alguns Cristãos. Gostemos ou não, somos vistos por muitos como peões no bolso do partido. O resultado é uma geração com muitos que não querem nada com o cristianismo. O problema não é Jesus ou a igreja de Cristo. É só que as pessoas muitas vezes não são expostas a nenhum dos dois por causa dos obstáculos políticos involuntariamente espalhados por trás.

Jason Price escreveu em Cristianismo Hoje, “O traço centrado em Cristo que os evangélicos mais precisam na arena política (e nas mídias sociais) é . . . mansidão.” Mas mostrar humildade nas mídias sociais em um momento de extrema divisão política exigirá que subordinemos nossas próprias paixões e direitos políticos a fim de preservar nosso testemunho de Jesus Cristo para nossos amigos incrédulos.

Se, ao se envolver em debates políticos (muitas vezes desnecessários) nas mídias sociais ou pessoalmente, seus vizinhos e amigos principalmente identificá-lo por sua política, você pode ter perdido ou diminuído severamente seu testemunho cristão sem querer.

O clima social atual tende a trazer agressividade nas pessoas. É evidente entre os cristãos nas mídias sociais que insistem que estão certos antes de avaliar se é sábio ou útil dizer isso. Podemos escolher subordinar nossas opiniões políticas para que possamos priorizar nosso testemunho?

JD Greear disse: “Posso estar errado em minha opinião sobre a saúde universal, ou posso estar errado em minhas opiniões sobre o aquecimento global, mas não estou errado sobre o evangelho, e não quero deixar minhas opiniões no os primeiros nunca impedem as pessoas de me ouvirem no segundo. E isso significa que eu mostro uma moderação em falar sobre certas coisas que eu acho que estou certo.”

É hora de lembrar quem está assistindo e fortalecer nosso testemunho.

DISTRAI DA NOSSA MISSÃO

Dentro Capas de cidade, o personagem interpretado por Jack Palance levantou um único dedo e falou sobre o uma Coisa isso é importante na vida. Jesus nos deu a única coisa que se eleva acima de todas as outras prioridades: buscar primeiro o reino de Deus. Faça discípulos de todas as nações. Ame o Senhor seu Deus com todo o seu coração, alma, mente e força. Quando somos apanhados em fazer tudo político, esquecemos que temos prioridades muito maiores.

Quando nos envolvemos no domínio político em um grau de distração, isso tira o foco e a energia da missão. Quando vejo pastores repetidamente postando pronunciamentos políticos, me pergunto se eles percebem que seus pontos de vista políticos provavelmente são o motivo pelo qual são conhecidos. Você pode ter apenas 1 coisa principal.

Por que os líderes da igreja devem abster-se de tomar uma posição pública para um candidato ou se alinhar com um partido ou posição política? Porque somos fracos e tímidos, com medo de defender a verdade? Não. Porque não acreditamos que os cristãos devam ter uma opinião política? Não. Porque não queremos perder nosso status de isenção de impostos? Novamente, não! Porque odiamos o conflito ou não aguentamos o debate? Não. Porque não há questões de justiça suficientemente importantes para ponderar? Não!

A razão pela qual as igrejas não devem se alinhar com um candidato ou perspectiva partidária é porque recebemos um chamado muito mais elevado. E não devemos fazer nada que nos impeça de executar nossa missão dada por Deus. Sou cristão e pastor. Se eu deixar claro que sou um “cara de Trump” ou um “cara de Biden”, imediatamente perdi minha capacidade de representar Cristo para qualquer um que discorde de mim politicamente. Isso coloca Jesus em segundo plano, e todos que discordam de mim do lado oposto. Eu me torno apenas mais uma voz monótona entre muitas, misturando-me com o ciclo de notícias em vez de me destacar como um proclamador das boas novas de Deus.

Os cristãos não são chamados a ter seu foco principal em direitos de armas, questões de fronteira, legislação sobre aborto ou mesmo liberdade religiosa. Alguns dirão: “Mas essas coisas são importantes!” Sim, eles estão. Não estou dizendo que eles não são importantes, estou perguntando, Qual é o seu principal? Se alguns cristãos estivessem tão entusiasmados com a missão de Cristo quanto estão com sua política, teríamos um avivamento.

Paulo disse: “Portanto, é assim que vocês devem nos considerar: como servos de Cristo e como aqueles a quem foram confiados os mistérios que Deus revelou”. (1 Coríntios 4:1). Somos mordomos do mistério. Nós não a possuímos, apenas a compartilhamos. E nada deve atrapalhar isso. Apenas 1 coisa pode realmente mudar o mundo, e esse é Jesus. Deus colocou o evangelho em nossas mãos. Não somos livres para esvaziar nossas mãos para pegar outra ferramenta.

Goste ou não, um mundo observador está amplamente desgostoso com o que eles acreditam ser nossa política. Não devemos comprometer a missão tão importante que Jesus nos deu, alinhando-nos com a esquerda ou a direita, liberais ou conservadores, de uma forma que envie as pessoas para uma rampa de saída em vez de no caminho para Jesus. Quando alguém entra pelas portas de sua igreja, não precisa saber onde você está em relação a vários assuntos; eles precisam saber onde estão com Cristo. Eles precisam de Jesus. Ele é a única fonte de cura e esperança para o povo deste país. É hora de lembrar o principal e manter o foco em nossa missão.

Ben Cachiaras atua como pastor principal na Mountain Christian Church em Joppa, Maryland.





Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *