Retiro de Kharkiv: O que as perdas militares significarão para a política doméstica da Rússia?


Fracassos e derrotas militares mais frequentes exacerbarão a divisão entre os apoiadores da guerra e aumentarão os riscos para a liderança política de Putin.

A retirada das forças armadas russas da região de Kharkiv, na Ucrânia, semeou pânico, desencanto e perplexidade entre os ativistas pró-guerra. Seus canais no aplicativo de mensagens Telegram estão cheios de raiva das autoridades e perguntas sobre como esse revés aconteceu. Este é um dos desafios políticos mais sérios para o Kremlin, uma vez que começou a dizimar a oposição não sistêmica (anti-presidente Vladimir Putin).

As autoridades russas sempre tiveram uma relação complicada com o segmento pró-guerra da população. Por muitos anos foi marginal: apenas um pequeno grupo de fãs do projeto Novorossiya – uma hipotética confederação de estados no sudeste da Ucrânia que se estende de Kharkiv a Odesa – acompanhou os combates no Donbas e teve pouca influência sobre a agenda política. No entanto, a invasão da Ucrânia não apenas radicalizou o partido da guerra; também o reforçou com pesos-pesados ​​políticos. O mainstream conservador antiocidental – incluindo o partido do poder, os siloviki (membros dos serviços de segurança) e a oposição sistêmica que de fato não se opõe a Putin – apoiou totalmente a decisão do presidente de invadir a Ucrânia e até tentou chegar a o leme do movimento pró-guerra.

Por um tempo, a distância entre os oportunistas pró-guerra no governo e os tradicionais belicistas anti-Kyiv quase se fechou, o que criou a percepção de amplo apoio sociopolítico à guerra. Diante dos fracassos, no entanto, os dois grupos se dividem novamente: o establishment tenta justificar cada decisão do Kremlin, enquanto os ativistas pró-guerra reclamam, criticam e até questionam a capacidade das forças armadas russas de ter sucesso.

Dois reinos paralelos surgiram. No primeiro, o oficial, o reino da “paz”, com seus curadores políticos e propaganda na TV, tudo está indo esplendidamente na Rússia, todos os objetivos serão alcançados na linha de frente e o Ocidente está condenado. No segundo, o reino da “guerra”, milhares estão mortos e feridos, há vitórias e derrotas, e a luta é pela vida ou pela morte. Há agora um abismo entre aqueles que veem uma guerra santa sem ter para onde recuar para que Moscou não caia, e aqueles que reconhecem apenas uma “operação militar especial” com objetivos pouco claros e prazos incertos.

No início, a diferença entre esses dois reinos era limitada, o que permitia ao Kremlin colher os frutos da consolidação patriótica: o apoio a quase todas as instituições de poder havia crescido; o público expressou solidariedade com o Kremlin; ninguém se atreveu a balançar o barco; a oposição não sistêmica havia sido esmagada; e a oposição sistêmica se juntou ao campo militar. Graças a tudo isso, as eleições regionais e locais realizadas em 11 de setembro transcorreram sem problemas.

Com o tempo, no entanto, os reinos ficaram cada vez mais distantes. Pesquisas recentes mostraram que os russos gradualmente se cansaram das notícias sobre a guerra e até se irritaram com aqueles que usam a guerra para dividendos políticos. O Kremlin percebeu que pode ser perigoso levar a agenda militar longe demais e está apostando em fazer um show maior de “vida pacífica”. Enquanto isso, as derrotas e os desafios nas linhas de frente vêm aumentando, com temores de que as tropas russas possam não apenas nunca chegar a Kyiv, mas também perder a guerra.

Os reinos da “paz” e da “guerra” poderiam ter coexistido por muito tempo, não fosse a retirada devastadora de Kharkiv. As celebrações pródigas do Dia da Cidade de Moscou contrastaram fortemente com as discussões sobre fracassos militares nas redes sociais. Celebrações no parque central de Moscou Zaryadye com a presença de Putin; uma cerimônia de abertura de uma roda gigante em outro parque, VDNKh; um concerto festivo; e fogos de artifício justapostos a uma torrente de mensagens de pânico, desprezo e desespero sobre perdas sangrentas nas linhas de frente.

Nos últimos meses, o reino da “guerra” vem crescendo e amadurecendo, forjando uma base social e conquistando centenas de milhares de russos. As recentes derrotas militares colocaram este reino na frente e no centro, para grande desgosto do Kremlin. As autoridades estão se esforçando para responder – fazendo ameaças intermitentes, culpando bots ucranianos por espalhar propaganda anti-russa ou alegando que não há nada de errado em comemorar o Dia da Cidade de Moscou. Esta falta de uma resposta coordenada está apenas agravando o problema.

Na raiz dessa divisão está a atitude peculiar de Putin em relação à Ucrânia. Aos seus olhos, a Rússia nunca deveria derrotar o exército ucraniano no campo de batalha, ou travar uma longa campanha. A relutância de Putin em se mobilizar, sua prontidão para recuar e seu discurso de que não há necessidade de pressa traem sua convicção de que a Ucrânia está historicamente condenada sem batalhas em grande escala: com o tempo, ele acredita, o país ficará exausto, com a retirada do Ocidente sua ajuda militar e as elites aceitando a capitulação. Parece que ele também calculou mal a prontidão da Ucrânia para contra-atacar.

Ainda assim, é improvável que esses erros de cálculo sejam preocupantes. Apostar que a Ucrânia irá capitular mais cedo ou mais tarde implica que, dentro da perspectiva histórica, não importa realmente onde estão as linhas de frente ou para onde estão se movendo. Putin também não se importa quando os referendos para se tornar parte da Rússia ocorrerão e quais partes da Ucrânia serão anexadas pela Rússia. Em sua visão de mundo, não há “Ucrânia”, existem apenas “forças anti-russas” (ou mesmo “nazistas”) em “terra russa”, que estão destinadas a desaparecer sem uma guerra em grande escala.

Com base nessa lógica, à medida que o Ocidente entrar em colapso, essas “forças anti-russas” perderão o acesso aos recursos e fracassarão. É por isso que a Rússia não lançou grandes ofensivas nos últimos meses. Nem Putin fará muito das recentes vitórias ucranianas, que provavelmente não irão abalar sua crença de que a Ucrânia inevitavelmente “retornará ao ninho russo”.

O problema com essa lógica é que enquanto muitos na Rússia acreditam que a Ucrânia não é um país real, poucos concordam com Putin que a Rússia pode vencer apenas esperando a guerra acabar e assistindo o colapso do Ocidente. O reino da “paz” emergiu não porque a sociedade e as elites russas estejam convencidas da abordagem de Putin. Ao contrário, resultou da tentativa de Putin de vencer a guerra sem o envolvimento direto das elites e do público.

À medida que a chamada “operação militar especial” se arrasta, o Kremlin está tentando empurrar a agenda militar para a periferia e cultivar um senso de normalidade. Isso só aumentará ainda mais a lacuna entre o reino da “paz” e o reino da “guerra”. Os fracassos militares, por sua vez, galvanizarão os belicistas, alimentando seu potencial como oposição.

Uma oposição pró-guerra pode se tornar um dos desafios mais sérios ao regime desde a destruição da oposição não sistêmica. Certamente, o Kremlin achará mais difícil reprimir os protestos de direita do que o líder da oposição Alexei Navalny e seus apoiadores. Putin não vê os ativistas pró-guerra como oponentes ideológicos que atuam no interesse de inimigos externos. Ele considera seu protesto legítimo e patriótico, o que dá ao siloviki, que são responsáveis ​​por esmagar a dissidência, menos espaço de manobra. Além disso, a ideologia do siloviki não é tão diferente da dos patriotas de direita no Telegram.

Fracassos e derrotas militares mais frequentes exacerbarão a divisão entre os domínios da “paz” e da “guerra” e aumentarão os riscos para a liderança política de Putin. Ao tentar ser o escolhido tanto para a paz quanto para a guerra, ele poderia acabar sendo a escolha de ninguém. Por enquanto, enquanto a indignação e o pânico não forem canalizados pessoalmente contra Putin, é improvável que o Kremlin embarque na destruição dos ativistas pró-guerra. Mas não se engane: esse pânico intoxicará as elites dominantes e corroerá sua fé na capacidade de Putin de controlar a situação.

Por:





Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *