Taiwan culpa política pelo cancelamento de evento global do Orgulho


Participantes marcham sob uma bandeira gigante de arco-íris durante a Parada do Orgulho LGBT em Taipei, Taiwan, 26 de outubro de 2019 REUTERS/Eason Lam

Registre-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

TAIPEI, 12 de agosto (Reuters) – Taiwan culpou nesta sexta-feira “considerações políticas” pelo cancelamento do WorldPride 2025 Taiwan depois de dizer que os organizadores insistiram que a palavra “Taiwan” fosse removida.

Taiwan participa de organizações globais como as Olimpíadas como “Taipei Chinesa”, para evitar problemas políticos com a China, que vê a ilha democraticamente governada como seu próprio território e se irrita com qualquer coisa que sugira que seja um país separado.

A cidade de Kaohsiung, no sul de Taiwan, deveria sediar o WorldPride 2025 Taiwan, depois de ganhar o direito do grupo global de direitos LGBTQ InterPride.

Registre-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

No ano passado, após protestos em Taiwan, o governo abandonou a referência à ilha como uma “região”, palavras que sugerem que não é um país.

Mas os organizadores de Kaohsiung disseram que a InterPride recentemente “repentinamente” pediu que eles mudassem o nome do evento para “Kaohsiung”, removendo a palavra “Taiwan”.

“Após uma avaliação cuidadosa, acredita-se que se o evento continuar, pode prejudicar os interesses de Taiwan e da comunidade gay de Taiwan. Portanto, é decidido encerrar o projeto antes de assinar o contrato”, disseram os organizadores de Kaohsiung.

A InterPride não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

O Ministério das Relações Exteriores de Taiwan disse que o evento teria sido o primeiro evento WorldPride a ser realizado no leste da Ásia.

“Taiwan lamenta profundamente que a InterPride, devido a considerações políticas, tenha rejeitado unilateralmente o consenso mutuamente acordado e quebrado uma relação de cooperação e confiança, levando a esse resultado”, afirmou.

“A decisão não apenas desrespeita os direitos e esforços diligentes de Taiwan, mas também prejudica a vasta comunidade LGBTIQ+ da Ásia e contraria os princípios progressistas defendidos pela InterPride”.

Taiwan legalizou o casamento entre pessoas do mesmo sexo em 2019, pela primeira vez na Ásia, e se orgulha de sua reputação como bastião dos direitos LGBTQ e do liberalismo.

Embora as relações entre pessoas do mesmo sexo não sejam ilegais na China, o casamento entre pessoas do mesmo sexo é, e o governo vem reprimindo as representações de pessoas LGBTQ na mídia e o uso das mídias sociais pela comunidade.

Registre-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

Escrito por Ben Blanchard; Edição de Michael Perry

Nossos Padrões: Os Princípios de Confiança da Thomson Reuters.



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *